UMA BOA CAUSA JUSTIFICA QUALQUER COISA?

0
16533

Será que uma boa causa justifica fazer qualquer coisa para conseguir torná-la realidade? Acredito que não. Mas, infelizmente há muita gente que pensa assim.

Cerca de 69 anos atrás, os Estados Unidos jogaram a primeira bomba atômica na cidade de Hiroshima (Japão). O mundo da época assistiu, em estado de choque, à morte quase instantânea de dezenas de milhares de pessoas. E os efeitos posteriores da radiação ainda estão presentes até hoje. Dias depois, foi lançada uma segunda bomba atômica, na cidade de Nagasaki, com resultados semelhantes.

A lógica usada pelo governo norte-americano, para justificar o uso das duas bombas, foi forçar a rendição do Japão, acabando de vez com a guerra e poupando milhares de vidas. Essa ainda é a posição oficial dos Estados Unidos hoje em dia. Portanto, uma boa causa (acabar com a guerra, poupando milhares de vidas) justificou o uso de duas bombas atômicas (sacrificando também milhares de vidas). É claro que essa conta só faz sentido porque que as vidas sacrificadas eram japonesas e as vidas poupadas, em boa parte, eram de soldados americanos. 

Outro exemplo histórico é a conversão forçada dos judeus e árabes ao cristianismo, na Europa, durante a Idade Média. Acreditando estar fazendo o bem – dando acesso a essas pessoas á salvação – os governos e os líderes religiosos cristãos cometeram muitas atrocidades. Uma boa causa justificou atitudes terríveis, que mancharam a memória do cristianismo para sempre.

Outro exemplo interessante é a implantação a ferro e fogo das ideias de justiça social defendidas pelo comunismo. Isso levou a enormes abusos dos direitos humanos na União Soviética, na China e em Cuba, dentre outros países. Para forçar a igualdade social, propriedades foram confiscadas, pessoas presas e muito sofrimento foi gerado. 

O Brasil passou pela experiência de implantar uma boa causa a qualquer custo. Não importa o preço. Essas ideias ficaram evidentes durante as últimas eleições presidenciais. Sem dúvida essas eleições foram as mais polarizadas da história e assumiram dimensão de “guerra santa”. Para cada um dos lados, os adversários eram os inimigos a ser esmagado. Muitas vezes os adversários eram comparados a Satanás e sua legião de demônios.

A boa causa (eleger o candidato preferido, aquele que iria “salvar” o Brasil) justificou qualquer coisa. Valeu divulgar fake news e calúnias, fazer agressões verbais e até físicas. Por causa disso amizades foram perdidas, famílias ficaram fraturadas, houve brigas dentre de igrejas e teve gente que até perdeu o emprego. Uma tristeza. 

A tolerância – a capacidade de aceitar e conviver com as diferenças de opinião – e o respeito ao próximo foram pelo ralo. Tudo em nome de conseguir uma vitória redentora.

Ora, o ensinamento da Bíblia é o amor ao próximo. Isso significa que você deve fazer com as outras pessoas aquilo que gostaria fosse feito com você mesmo/a. E ninguém quer passar por violência ou constrangimento de qualquer natureza, seja físico ou moral. Portanto, fazer isso com outra pessoa, qualquer seja a justificativa – mesmo uma boa causa – é um grande erro. Um verdadeiro pecado. 

Portanto, tenha em mente que nenhuma causa, mesmo aquela que pareça ser a melhor, justifica o uso de meios errados para conseguir sucesso. E isso vale até para a conversão de pessoas ou para tirá-las do mau caminho. 

Os fins que estão sendo buscados são importantes. Mas são igualmente importantes os meios usados para chegar até eles. 

Com carinho 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of