JESUS NÃO FOI O MESSIAS POR SORTE

0
265

Sorte – será possível que ela tenha feito com que Jesus tivesse sido considerado como o verdadeiro Messias? A resposta para essa pergunta precisa levar em conta qual é a probabilidade disse ter acontecido. Se essa chance for alta, a dúvida certamente é válida. Se for extremamente baixa, essa dúvida precisa ser descartada.

A forma de avaliar essa questão é levar em conta as profecias sobre o Messias contidas no Velho Testamento. Elas foram estabelecidas por Deus exatamente para permitir que as pessoas pudessem reconhecer o Messias quando Ele chegasse.
Mas, como a existência de uma determinada profecia impacta a probabilidade de uma pessoa ser identificada de certa forma? Vamos ver um exemplo prático.
Qual seria a chance de você acertar, por acaso, o município brasileiro onde nasceu a pessoa que será Presidente da República daqui há 30 anos? Digamos que você escolha o município de São Paulo, que tem cerca de 12 milhões de pessoas. Não podemos esquecer que a população do Brasil é de cerca de 210 milhões. Logo, a chance de você acertar essa previsão na pura sorte é igual a 12 dividido por 210, ou 5,7%. 
Agora, imagine que você deseje prever também qual será o sexo do futuro Presidente. A chance de acertar o sexo de alguém, por acaso, é de uma em duas (homem ou mulher).
Se juntarmos as duas profecias – município de origem e sexo – sua chance de acertar passa a ser de uma em trinta e seis, ou seja 2,8%.
É fácil de perceber que a chance de acertar as duas previsões é menor que a de acertar apenas uma. E quanto mais previsões sobre o futuro Presidente você fizer, menos chance você terá de acertar.
Por exemplo, imagine que você preveja também que essa pessoa será evangélica. Ora, a população evangélica no Brasil anda na ordem de 30% do total. Portanto, a chance do Presidente do Brasil ser paulista, mulher e evangélica é uma em cento e vinte, ou 0,9%. Essa mesma chance seria uma em dezoito se a previsão fosse apenas da pessoa ser paulista. E de uma em trinte seis se a previsão fosse de ser uma pessoa paulista e do sexo feminino. A chance de acertar foi caindo a cada vez que você fez uma nova previsão. 
E no caso do Messias? Qual seria a chance de Jesus cumprir todas as profecias existentes no Velho Testamento sobre essa personagem por pura sorte? O Professor Peter Stoner, do Westmond College, fez um estudo para tentar descobrir isso.
Dividiu cerca de 600 alunos seus em grupos e pediu que cada grupo estudasse uma dentre 8 profecias apenas. Cada grupo avaliou a chance dessa profecia ser preenchida por pura sorte, avaliando todos os fatores envolvidos. Por exemplo, para calcular a probabilidade de alguém cumprir por acaso a profecia que estabeleceu Belém Efrata como o local do nascimento do Messias (conforme Miqueias capítulo 5, versículo 2), os estudantes estimaram a população daquela cidade em relação à população mundial cerca de 2.000 anos atrás e encontraram uma chance em trezentos mil – em outras palavras, a cada 300.000 crianças que vieram ao mundo no ano em que Jesus nasceu, apenas uma delas nasceu em Belém.
O Professor Stone entregou seus resultados para um comitê da American Scientific Affiliation, que refez os cálculos dos seus alunos e os achou corretos. E depois escreveu um livro relatando os resultados encontrados (“Science Speaks”). Considerando apenas as 8 profecias estudadas, a chance de um homem qualquer cumprir todas elas por acaso teria sido de apenas uma em 100.000.000.000.000.000 (numeral formado pelo dígito 1 seguido por dezessete zeros).
Para você ter uma ideia do que isso significa, imagine que todo o território do estado de São Paulo seja coberto com uma camada de 50 centímetros de moedas de R$ 1. Imagine ainda que apenas uma dentre todas essas moedas seja marcada com um pequeno ponto de tinta vermelha. E seja, então, pedido a uma criança, com os olhos vendados, que escolhesse uma dentre essas moedas por mero acaso. A chance dela escolher a moeda com o pingo de tinta vermelha, dentre todas as moedas, é a mesma que alguém cumprir por acaso as 8 profecias estudadas sobre o Messias estudadas pelo Professor Stoner.
O mesmo professor estendeu, depois, seu estudo para 48 profecias e achou que a chance delas serem todas cumpridas por pura sorte seria uma em relação ao numeral formado pelo dígito 1 seguido por 147 zeros! Essa é uma probabilidade, para todos os efeitos práticos, igual a ZERO.
Ou seja, considerando apenas 48 profecias sobre o Messias, não há possibilidade delas serem todas cumpridas por acaso! Simples assim. E nunca se esqueça que Jesus cumpriu mais de 400 profecias. Logo, não pode ter havido acaso nessa situação, isso seria impossível.
O cumprimento por Jesus de todas as centenas de profecias incluídas no Velho Testamento falando do Messias somente pode ter acontecido porque houve um plano previamente estabelecido por Deus. Por causa disso, o Professor Stoner concluiu o seguinte:

Quem rejeitar Jesus como o Messias, está rejeitando um fato histórico mais provado do que qualquer outro“.

Veja mais sobre esse tema aqui.

Com carinho

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of