PERDÃO NÃO É RECONCILIAÇÃO

9
6761

Perdão é um tema que sempre gera dúvidas. Por um lado, trata-se de ordenança – é coisa tão séria que o perdão de Deus vem na mesma medida em que a pessoa perdoar seu próximo, como está na oração do Pai Nosso: “…e perdoa-nos as nossas dívidas assim como temos perdoado aos nossos devedores…” Mateus capítulo 6, versículo 12.

Não vou discutir aqui sobre a necessidade de  perdoar – já fiz isso em outro post que você pode consultar (aqui). A discussão hoje é sobre a reconciliação, como consequência do perdão. 

E começo definindo reconciliação: é a recomposição do relacionamento, trazendo-o de volta às bases anteriores, isto é voltar ao que era antes, apesar do acontecido. Agora, será que também há mandamento para reconciliação, como o que existe para o perdão

Por exemplo, uma mulher que foi agredida pelo marido é obrigada a voltar a viver com ele como se nada tivesse acontecido? Ou ainda, um pai que foi roubado pelo filho dependente de drogas deve continuar a mantê-lo dentro da sua casa? Em outras palavras, o cristão(ã) é obrigado(a) a retomar o relacionamento nas mesmas bases anteriores, mesmo correndo o risco de passar pelos mesmos problemas? 

Perdão é diferente de reconciliação
Essa questão gera muita insegurança e pode ter certeza que a confusão entre perdão e reconciliação é uma das principais razões para a dificuldade das pessoas em perdoar. Muitas acham que, se perdoarem, serão também obrigadas a se reconciliar e não desejam isso de forma nenhuma.

Repito o que disse antes: perdão e reconciliação são coisas diferentes e o primeiro não implica obrigatoriamente no segundo. Deve haver perdão – há um mandamento para isso – mas a reconciliação não é uma obrigação. Simples assim. 

E a Bíblia está cheia de situações em que houve perdão mas não reconciliação. Por exemplo, quando estava morrendo, Jesus pediu a Deus que perdoasse seus algozes porque não sabiam o que faziam (Lucas capítulo 23, versículo 34). Ele perdoou mas não fez qualquer tentativa de se reconciliar com os soldados romanos que o martirizavam.

A grande diferença que existe entre perdão e reconciliação é que o primeiro deve ser unilateral. Isto é, a pessoa deve perdoar sem levar em conta o que pensa o(a) ofensor(a). Pode até ser que quem ofendeu não tenha se arrependido do que fez, mas ainda assim o perdão precisa acontecer. Até porque o perdão beneficia quem perdoa pois dos ombros dessa pessoa uma carga de rancor e amargura que pode acabar por corroê-la por dentro.

Mas a reconciliação depende em muito do que faz e pensa aquela pessoa que ofendeu ou causou mal. Trata-se de um processo bilateral

As condições para reconciliação
Para que haja reconciliação, é preciso que quem ofendeu se arrependa sinceramente, reconheça o mal que causou e peça perdão. Sem isso, não há qualquer chance de recuperar o estrago feito.

Mas mesmo isso não pode não ser suficiente. A viabilidade da reconciliação depende também da natureza do estrago gerado pois, em muitas casos, deixa de ser possível voltar à situação anterior. 

Imagine uma mulher que, num ataque de ciúmes, mata um filho do primeiro casamento do homem que ama. O pai enlutado pode até perdoar, mas não será possível recompor sua relação com a assassina. A reconciliação nesse caso é impossível.

Uma mulher que tenha sido agredida pelo marido a ponto de guardar marcas físicas e emocionais permanentes, não vai ter como se reconciliar com seu agressor. Simplesmente não conseguirá mais confiar nele e viver de forma despreocupada em sua companhia. Um homem que passou pela traição da mulher que ama talvez não consiga mais retomar seu casamento. E assim por diante.

Lembro que não há na Bíblia qualquer mandamento em relação à reconciliação e nem poderia haver, considerando que isso pode não ser viável, conforme os exemplos que acabei de dar demonstram. É claro que quando possível, é preciso tentar promover a reconciliação, pois preservar relacionamentos é importante. Mas há fatores que podem impedir que a reconciliação ocorra. 

Concluindo, não hesite em perdoar – trata-se de mandamento de Deus. E essa é uma atitude boa para sua saúde espiritual e emocional. Agora, não deixe de perdoar por receio de ter obrigação de se reconciliar – uma coisa não obriga a outra. Você não é obrigado a retomar um relacionamento de amor ou de amizade que seja falido, doente e prejudicial para sua vida. Deus não pede isso de você.

Com carinho

9
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
5 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
RaphaelPatrickisabela santos peixotoVinicius MouraMarlinda A.V.Melo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Patrick
Visitante
Patrick

Eu queria saber como eu faço Pra minha mae parar de encher meu saco pra seguir esse religião sendo q eu nem acredito em deus

isabela santos peixoto
Visitante

Bom dia. O meu caso: Tenho uma colega de trabalho que implica muito comigo. Fala mal de mim pelas costas, tem inveja de mim pois estou no cargo a mais tempo e usufruo de mais confiança dos meus patrões. Ela sempre me aborrece , fico um tempo sem falar direito com ela por estar triste ( é o normal de qualquer ser humano). Oro, perdoo e volto a falar com ela e a agir como se nada tivesse acontecido. De repente ela faz tudo de novo! Eu novamente repito o mesmo processo do perdão… E daí por diante. Isso tem… Read more »

Marlinda A.V.Melo
Visitante
Marlinda A.V.Melo

Tenho duvidas quanto a isso. Visto que em 2 co 5.17-21, diz que assim como fomos reconciliado c Deus através da morte e sacrificio de Cristo(estávamos afastado de Deus pelo nossos pecados, erros e transgressões) e entao fomos perdoados e reconciliado com o Pai. Diante disso, o perdão deveria vir seguido de reconciliação.ex.: José e seus irmãos.

Daziele
Visitante

Nossa muito esclarecedor!…..
Estou até mais leve, haha 🙂