O JULGAMENTO DOS 92%

3
153

Pesquisa recente feita nos Estados Unidos trouxe uma informação aterradora: 92% dos bebês portadores de síndrome de Down são abortados, quando os pais descobrem a doença. Por conta disso, algumas igrejas fizeram uma campanha baseada no cartaz abaixo: a imagem é de uma linda criança com Down e o texto diz “eu sou um dos 8%”.

Confesso que chorei por dentro quando vi esse material, ao pensar no desperdício de vidas e na dureza dos corações de 92% desses pais. Mas aí me lembrei da frase de Jesus, que abre este post. Nela, Ele nos adverte para não julgar o próximo com dureza e olhar antes para nossos próprios defeitos.

Fiquei imaginando então o que eu teria feito, lá por volta dos meus trinta anos, se tivesse recebido a notícia de que iria ter um filho portador de uma necessidade especial. Teria recebido bem essa criança? Como eu nasci num meio cristão, gostaria de acreditar que não teria pensado em aborto. Mas, no fundo, bem lá no fundo, eu não tenho essa certeza.

Eu me julgava importante, poderoso, no sentido que até então somente tinha tido sucesso em tudo. E um filho portador de deficiência seria uma prova viva do meu “fracasso”, da minha pequenez. E não sei se eu teria conseguido suportar isso.
 
E ainda há a questão do comodismo: como eu reagiria ao pensar no trabalho contínuo, trabalho esse que não iria acabar nunca? Afinal, um filho especial não é um problema que se supera – ele estará ali presente, requerendo cuidados e atenção, por toda a vida.

Deus foi bom comigo e me permitiu aprender que as coisas não são assim. E aprendi muito ao ter o privilégio de conviver com várias dessas pessoas, ditas especiais. Tenho podido ver como elas são mesmo especiais, mas num sentido muito mais amplo da palavra. A inocência presente nos olhos delas e o amor incondicional que são capazes de sentir, fazem sim delas pessoas diferenciadas e muito mais próximas de Deus.

Nas aulas de Escola Dominical que ministrei na igreja que frequento, sempre, ao final, eu corria a roda perguntando às pessoas por pedidos de oração, para que todos, juntos, pudéssemos orar por essas necessidades. 

Frequentemente, estava presente uma moça, portadora de necessidades especiais, porque a aula que ela assistia terminava mais cedo e ela vinha ficar junto a sua mãe, uma amiga querida. Ao chegar na vez dessa moça pedir algo, ela sempre dizia: “peço pelo papai”. E o amor que eu via nos olhos e no sorriso discreto daquela moça, era algo maior do que ela mesma. E tenho certeza que aquele pai nunca foi, nem será amado por ninguém, com tanta entrega, como por aquela filha.

Então, voltando à pesquisa que abriu esta reflexão, parece-me que falta aos 92% dos pais, àqueles que resolvem tirar das suas vidas as crianças com necessidades especiais, o conhecimento e a vivência do amor de Deus. E isso é algo que as pessoas precisam ser ensinadas a fazer.

Por isto, nós, cristãos, não podemos nos limitar a apontar o dedo acusador para esses 92%, porque temos temos parte de responsabilidade nessa tragédia. Afinal, cabe a nós refletir o amor de Deus neste mundo e espalhar a mensagem do Evangelho de Jesus, de forma que todos possam ouvir e entender. E, muitas vezes, temos ficado calados, na nossa zona de conforto, sem cumprir com nossa obrigação.

Com carinho

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
0 Comment authors
Vinicius MouraPatricia MattarNancy M. Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Vinicius Moura
Visitante

Querida Patricia

É isso mesmo. Nós sempre tendemos a apontar o dedo acusador para os outros e deixar de ver o que poderíamos ter feito e não fizemos. Se as pessoas não forem discipuladas, as verdades do mundo secular vão se sobrepor às verdades de Jesus. E isso cabe a nós fazer.

Bjs

Patricia Mattar
Visitante

Querido amigo Vini, quando você contou-me a respeito deste "post", pensei "hummm… deve falar muito ao coração dos 92%" Ingenuidade a minha…(ou será comodidade ???). De fato, devemos refrear ao apontarmos o dedo acusador, e avançar no cumprimento da obrigação de espalhar a mensagem do Evangelho de Jesus! Parabéns pela feliz abordagem de um tema delicado e que merece nossa urgente atenção e ação! Que o Senhor Jesus tenha misericórdia de nossas vidas por tamanha omissão!!!

Nancy M.
Visitante
Nancy M.

Temos mesmo que ter a coragem de fazer essa reflexão! Não estamos preparados para lidar com o desconhecido, principalmente se "esse desconhecido" pode de alguma forma nos causar dano, é assim que muitas vezes vemos a condição de sermos pais de filhos especiais,é nossa autosuficiência gritando enlouquecida por perder o controle, frente ao inesperado.E só mesmo a presença renovadora e esclarecedora de Deus, pode nos fazer entender que tudo que vem Dele e que foi criado por Ele é muito bom!!! Que Ele nos ajude a refletirmos esse amor que pode, em nome Dele, inverter esse quadro ou até zerá-lo.Parabéns… Read more »