O INTERESSE COLETIVO VERSUS O INTERESSE PESSOAL

0
300

O tema de hoje é a disputa entre o interesse individual e o interesse coletivo. No ano de 2013, o Brasil recebeu a visita de uma famosa blogueira cubana – Yoani Sanches. Seu blog se tornou uma referencia na luta contra a ditadura que existe naquele país há quase 60 anos.

Cuba é um experimento social baseado no marxismo. Essa é uma visão de mundo baseada no materialismo, na pretensa igualdade social (embora haja uma elite privilegiada) e no direito do estado de usar a força para impor essa igualdade (sobrepondo-se às liberdades individuais).

Para alguns, Cuba é uma história de sucesso na luta pela melhoria das condições de vida das classes menos favorecidas. O país conseguiu inegáveis avanços em saúde e educação. Entretanto, para outros, a sociedade cubana é um inferno na terra, por conta da também inegável falta de liberdade individual. E, por causa dessa diferença de pontos de vista, a visita da blogueira despertou paixões fortes. 

No fundo dessa discussão, há uma questão fundamental: até que ponto o interesse coletivo deve vir acima do interesse pessoal? Ora, nenhuma sociedade organizada pode existir sem que as pessoas abram mão de parte da sua liberdade individual. Elas permitem que o governo organizado tenha poderes para cobrar impostos, criar leis, fazê-las cumprir, etc.
Nos regimes ditos marxistas (comunistas), o coletivo é sempre muito mais importante do que as pessoas. Governos ditos marxistas têm então condições para impor políticas como a que limita o número de filhos (na China), ou torna obrigatório o trabalho nas fazendas coletivas (em Cuba).
Nas sociedades ditas capitalistas, os direitos individuais são mais importantes do que os da coletividade. Mas essas sociedades acabam se tornando desiguais e muitas pessoas levam vidas sub-humanas. E aí é preciso que o governo intervenha, taxando a riqueza e redistribuindo renda, visando minorar a injustiça social.
Essa controvérsia entre o direito coletivo e o direito individual também se faz presente no mundo cristão. A vertente da teologia da libertação, muito forte na igreja católica 50 anos atrás, defendeu a “opção preferencial pelos pobres”. Segundo os defensores dessa linha de pensamento, era essa a mensagem verdadeira do Evangelho. Portanto, era obrigação da verdadeira igreja cristã fazer tudo pelos pobres.
E daí, tornou-se inevitável a aproximação entre a teologia da libertação e o marxismo, pois os dois pareciam defender a mesma causa. E isso gerou todo tipo de consequência estranha, como padres apoiando guerrilhas ou regimes ditatoriais implantados com apoio da igreja católica (como na Nicarágua sandinista).
É claro que Jesus se preocupou preferencialmente com os pobres, mas não limitou sua preocupação a eles. Por exemplo, Ele dedicou muita atenção também às mulheres oprimidas pela sociedade. Lutou também por incluir no reino de Deus aqueles afastados do convívio social por serem considerados pecadores, como os coletores de impostos e as prostitutas. E também não se esqueceu das vítimas da opressão causada pelos dominadores romanos.
A preocupação real de Jesus era com o ser humano fragilizado, seja por que motivo fosse: pobreza, discriminação social, doenças, opressão, etc. Portanto, reduzir a percepção de Jesus a uma preocupação exclusiva com os pobres é uma simplificação que não pode ser aceita. Para Jesus, todas as questões que contribuem para tirar a dignidade do ser humano precisam ser atacadas.
O cristão nunca pode apoiar regimes políticos que, sob o pretexto de diminuir a desigualdade social, atentam contra a dignidade humana. Esse é o caso de Cuba e outros países marxistas.
Pessoas como a Yoani Sanches, mulher corajosa, lutadora incansável pelas liberdades civis no seu país, precisam ser louvadas. E que ela ainda possa ver seu povo gozando da liberdade que tem direito.
Com carinho

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of