O SUPERVULCÃO E O FIM DO MUNDO

0
255

Reportagem publicada tempos atrás em diversos jornais trouxe notícias sobre o supervulcão que existe dentro do Parque Nacional de  Yellowstone, nos Estados Unidos. Estudos recentes, publicados na revista “Nature Geoscience“, revelaram que uma erupção pode acontecer ali sem qualquer “gatilho” – basta o acúmulo de pressão dentro do próprio vulcão.

Os supervulcões são centenas de vezes mais poderosos do que os vulcões comuns e são uma enorme ameaça para a humanidade. Segundo os cientistas, uma erupção supervulcânica baixaria as temperaturas médias globais em cerca de 10º C durante uma década, o que levaria a uma mudança no modo de vida na Terra.

A última erupção supervulcânica aconteceu cerca de 70 mil anos atrás, no local que hoje se encontra o Lago Toba, em Sumatra, Indonésia. As suas cinzas bloquearam o sol por um período entre seis e oito anos, o que causou um período de resfriamento global que durou cerca de mil anos.

Quando leio uma notícia dessas, não consigo deixar de pensar em como a vida na terra é frágil. A qualquer momento, um supervulcão ou um grande asteroide (que venha a cair na terra) pode mudar tudo que conhecemos. E o pior é que desastres dessa natureza já aconteceram no passado – por exemplo, foi a queda de um grande asteroide que destruiu os dinossauros, cerca de 60 milhões de anos atrás.

E não há nada que os seres humanos possam fazer para evitar ou mesmo limitar os riscos de desastres desse tipo. Se algum deles acontecer, simplesmente vamos ter que enfrentar as consequências.

A Bíblia é clara sobre o fato de que o mundo vai ter um fim. O livro do Apocalipse traz uma descrição detalhada de coisas terríveis que vão acontecer – esses relatos não são fáceis de entender, por serem cheios de símbolos e metáforas, alguns deles meio obscuros. Mas sabemos o suficiente para entender que não será nada agradável.

E esse fim vai chegar em momento inesperado. Jesus usou uma metáfora para caracterizar bem esse fato – esse momento vai chegar como um ladrão, quando ninguém esperar.

Sendo assim, é surpreendente que os seres humanos vivam como se a sociedade que construíram fosse durar para sempre. Uma explicação é que não gostamos de enfrentar a ideia da morte – um autor chegou a dizer que pensar sobre a morte é como “olhar para o sol”, ninguém consegue fazer isso por muito tempo.

Outra explicação é a arrogância: os seres humanos estão tão seguros da sociedade que construíram que não conseguem acreditar verdadeiramente no risco que correm. Pensam que sempre irão encontrar uma saída. Que tudo vai dar certo no final.

Deveríamos ser mais conscientes da realidade que nossa vida nesse mundo, tanto em termos individuais, como em sociedade, é frágil, muito frágil. De que somos totalmente dependentes da misericórdia de Deus. Da sua vontade de nos manter vivos e de conservar o legado que criamos.

Sem Deus nada somos. Não temos qualquer garantia ou futuro. Se tivermos isso em mente, vamos mudar a forma de nos relacionarmos com Ele. Vamos agradecê-lo pelo dom da vida toda vez que acordarmos de manhã. Toda vez que alcançarmos algum resultado. Toda vez que encontramos razão para nos alegrar.

Com carinho

Total Views: 1853 ,