MUDE ENQUANTO É TEMPO

0
92

Hoje vou falar de mudança de vida. E meu conselho é: mude enquanto há tempo. 

Parte do povo cristão acredita que, como Deus é amoroso e misericordioso, não importa muito o que a pessoa faça no seu dia-a-dia, pois ela acabará sendo perdoada, de uma forma ou de outra. E acabará salva

Alguns estudos feitos nos Estados Unidos, pela fundação Barna, apontam com clareza que não há muita diferença nos estilos de vida das pessoas cristãs e não cristãs. Muitos cristãos/ãs vivem e agem de forma muito parecida com quem não acredita em Deus. E não deve ser muito diferente no Brasil. Isso significa que há muitos/as cristãos/ãs vivendo, na prática, como se Deus não existisse.

E essas pessoas usam toda sorte de desculpas para se justificar e auto enganar: “os mandamentos bíblicos estão ultrapassados” ou “Deus vai entender minhas dificuldades e necessidades”. Essas pessoas seguem o ditado: “viva e deixe viver”. Isso quer dizer mais ou menos o seguinte: “eu não vou te julgar, se você não me julgar também”, ou ainda, “quem não tiver pecado que atire a primeira pedra”.

Deus percebe o pecado e se entristece com ele
Será que essa gente pensa que Deus não vê o que estão fazendo? Que Deus não se importa com o pecado? Achar que Ele aceita calmamente o pecado continuado é um grande erro – não se pode confundir amor e capacidade de perdoar, que Deus tem em dose enorme, com leniência. Deus não é leniente. Simples assim.

E nunca podemos esquecer que os padrões de santidade estabelecidos por Deus são muito rigorosos – veja o que Jesus falou em Mateus 5:27-28:

Vocês ouviram o que foi dito: ‘Não adulterarás’. Mas eu lhes digo: qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração.

 Para Deus, somente o ato de desejar algo errado já é pecado – não precisa nem praticar o mal. E a razão para isso é simples: todo ato errado começa com um desejo pecaminoso no coração – primeiro vem a vontade de pecar e depois o pecado propriamente dito.

É preciso considerar ainda o impacto do envolvimento crescente com o pecado, que pode ser ocasional, como também deliberado e até habitual. Veja o ensinamento de Salmo 1:1:

Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.

 O texto fala da pessoa que não segue (anda) pela vida segundo o conselho dos pecadores. Não se detém no caminho deles (o sentido aí é não imitar o que eles fazem). E muito menos, chega a se sentar na roda de quem faz pouco e até zomba das coisas certas. Repare que a imagem usada pelo salmista indica comprometimento crescente com o pecado: andar pode ser uma coisa até casual, mas parar e se sentar indicam compromisso crescente com o mal.

Deus espera mudança de coração
Quem pensa que pode pecar numa boa e Deus vai entender, esquece que, quando Ele perdoa, espera mudança de comportamento. E isso fica claro numa conhecida passagem. Trouxeram para Jesus uma mulher pega em adultério – foi nessa oportunidade que Jesus disse que, quem não tivesse pecado, fosse o primeiro a atirar pedra na mulher adúltera. E normalmente fica meio esquecido o que Jesus disse, em seguida, para essa mesma mulher (João 8:9-11):

Os que o ouviram foram saindo, um de cada vez, começando com os mais velhos. Jesus ficou só, com a mulher em pé diante dele. Então Jesus pôs-se de pé e perguntou-lhe: “Mulher, onde estão eles? Ninguém a condenou? ” “Ninguém, Senhor”, disse ela. Declarou Jesus: “Eu também não a condeno. Agora vá e abandone sua vida de pecado”.

Jesus protegeu a mulher da morte por apedrejamento, mas não passou a mão na cabeça dela. Suas últimas palavras foram uma cobrança para ela mudar sua vida.

E Deus faz isso pela simples razão que amor sem limites não é amor e sim uma relação disfuncional. Amor precisa de limites reais – veja Hebreus 12:5-8:

Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor, nem se magoe com sua repreensão, pois o Senhor disciplina a quem ama, e castiga todo aquele a quem aceita como filho. Suportem as dificuldades, recebendo-as como disciplina; Deus os trata como filhos. Pois, qual o filho que não é disciplinado por seu pai? Se vocês não são disciplinados, e a disciplina é para todos os filhos, então vocês não são filhos legítimos, mas sim ilegítimos.

Palavras finais
Lembre-se que a consequência do pecado muitas vezes não aparece de imediato. O fato de parecer estar indo tudo bem, não significa que as coisas vão continuar assim.

Segundo, quanto mais você fizer o que é errado, mais fácil será pecar de novo. Por exemplo, se você se acostuma a mentir, a nova mentira vai ser muito facilmente da sua boca. Portanto, combata o pecado na diariamente. Lute para não ceder à tentação. E se errar, arrependa-se, peça perdão (reconhecendo o erro) e aprenda a lição, para não errar de novo.

Terceiro, salvação não é um direito e muito menos uma coisa garantida. Salvação pode ser perdida sim, caso a pessoa se desvie do caminho certo. Portanto preocupe-se com sua situação. E isso significa olhar para o “estado de saúde” da sua fé – uma boa forma de medir isso é ver que obras sua fé vem gerando. Afinal, a fé verdadeira é aquela que gera resultados (obras), que traz mudanças na vida da pessoa (Tiago 2:17-18):

Assim também a fé, por si só, se não for acompanhada de obras, está morta. Mas alguém dirá: “Você tem fé; eu tenho obras”. Mostre-me a sua fé sem obras, e eu lhe mostrarei a minha fé pelas obras.

 Haja enquanto é tempo. Mude sua vida enquanto a oportunidade existe. Não se acomode achando que está tudo certo e tudo vai ficar bem. Não é isso que a Bíblia ensina.

Com carinho

Deixe um comentário

avatar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Subscribe  
Notify of