JESUS E A MULHER SAMARITANA

0
2335

[Jesus] foi a uma cidade da Samaria, chamada Sicar … cansado do caminho, assentou-se junto da fonte. Era quase a hora sexta. Veio uma mulher tirar água. Disse-lhe Jesus: Dá-me de beber… Respondeu-lhe a mulher samaritana: Como, sendo tu judeu, me pedes de beber a mim, que sou samaritana? (porque os judeus não falam com os samaritanos). Jesus disse-lhe: Se tu soubesses… quem é o que te fala… tu lhe pedirias e ele te daria água viva… Qualquer que beber desta água tornará a ter sede; mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede… Respondeu-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água, para que não mais tenha sede… Disse-lhe Jesus: Vai, chama o teu marido, e vem cá. A mulher respondeu: Não tenho marido. Disse-lhe Jesus: Disseste bem… porque tiveste cinco maridos, e o que agora tens não é teu marido… Disse-lhe a mulher: Senhor, vejo que és profeta… Eu sei que o Messias vem; e quando ele vier, nos anunciará tudo. Jesus disse-lhe: Eu o sou… Deixou, pois, a mulher o seu cântaro, e foi à cidade, e disse àqueles homens: Vinde, vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito. Porventura não é este o Messias? João capítulo 4, versículos 5 a 30 

O relato do encontro de Jesus com a mulher samaritana é muito rico em ensinamentos e não seria possível estudá-los todos numa única postagem. Por isso vou me concentrar em apenas três ensinamentos:


O relacionamento de Jesus com a mulher samaritana

Os primeiros ouvintes dessa história foram judeus, pessoas que viviam num ambiente cultural bem diferente do nosso. E para aquelas pessoas, o relato do encontro de uma mulher com um homem sedento, à beira de um poço, apontava para uma situação bem conhecida: o homem estava em busca de uma esposa e a encontra junto ao poço – por exemplo, foi assim que Jacó encontrou Rebeca (Gênesis capítulo 29, versículos 9 a 14) e Moisés conheceu Zípora (Êxodo capítulo 2, versículos 16 a 21).

Assim, o relato deve ter despertado muita curiosidade desde o começo pois todos sabiam que Jesus não tinha se casado. Logo, havia algo de intrigante naquela história.

E não foi por acaso que o autor do relato fez questão de encaixar nele a informação que a mulher samaritana estava no sexto relacionamento, ou seja, não seria adequada para assumir novo relacionamento. Há aí uma reviravolta na direção do relato – deixa de haver a expectativa de um relacionamento.

Mais adiante o relato volta a surpreender pois passa a descrever a uma ligação de cunho inteiramente espiritual entre Jesus e a mulher. Ela aceitou Jesus como o Messias de Israel e passou a dar testemunho sobre Ele – na verdade, ela é a primeira pessoa no relato bíblico a fazer isso. Foi uma precursora.

A samaritana foi pessoas que aceitou Jesus e passou a confessá-lo publicamente e essas são exatamente as condições para salvação descritas em Romanos capítulo 10, versículo 9. Em outras palavras, aquela mulher se converteu, passando a ter uma relação espiritual com seu Salvador, como acontece com cada cada cristão.

Jesus aceitou a todos

Judeus e samaritanos não se davam bem por diversas razões. Samaria era habitada por um povo de sangue misturado (israelita com gentios) e os judeus não toleravam isso. Os samaritanos não reconheciam o Templo de Jerusalém como o ponto principal de culto a Deus e também tinham diferenças em relação aos livros que aceitavam como parte da Bíblia Hebraica.

Por causa disso, os samaritanos eram detestados pelos judeus, que se recusavam até a falar com eles. Jesus tinha, portanto, todas as razões para não falar com aquela mulher e ela até se surpreendeu quando Jesus falou com ela.

Além disso, aquela mulher era tida como uma mulher sem moral, por viver com um homem sem estar casada. E nenhum judeu estrito iria se dignar a ter qualquer tipo de contato com ela. E Jesus certamente surpreendeu a todos ao ter uma conversa amistosa com aquela mulher, falando-lhe do seu ministério e se revelando como o Messias.

Há aí um importante ensinamento: Jesus não discriminou as pessoas. Aceitou a todos que vieram até Ele, não importando sua etnia, origem social e nem mesmo os seus pecados passados. Basta lembrar que Jesus aceitou a conversão de um dos malfeitores pregados em cruzes ao seu lado, mesmo esse homem tendo reconhecido que estava sendo punido com justiça (Mateus capítulo 27, versículos 38 a 44).

O que sempre importou a Jesus foi a sinceridade do coração da pessoa que se dirigia a Ele e a capacidade de se arrepender dos próprios erros (pecados).

Infelizmente, a maioria de nós não é assim. Somos rápidos em apontar os defeitos e pecados dos outros, lentos em perceber os nossos e mais lentos ainda em perdoar. Na verdade, pessoas que cometem pecados considerados graves dificilmente são perdoadas pela comunidade cristã que frequentam – acabam sempre sendo olhadas meio de esguelha.

Jesus soube usar cada oportunidade 

Repare que durante a conversa entre Jesus e aquela mulher, ela rapidamente reconheceu seu erro – afinal, sua vida estava longe de ser exemplar.

Mas Jesus não perdeu tempo em ficar criticando o passado dela, repisando seus erros, ou dizendo-lhe que era corria o risco de ir para o inferno. Nada disso – bem diferente do que vejo os líderes religiosos fazerem hoje em dia.

Isso não quer dizer que Jesus aprovou o comportamento da mulher samaritana – repare que foi Ele quem provocou a discussão do tema. Mas não perdeu tempo com discursos moralistas e usou a oportunidade para construir algo positivo – a conversão da mulher.

E esse é mais um ensinamento importante: precisamos usar bem as oportunidades que a vida coloca diante de nós. Precisamos nos preocupar em construir coisas positivas, em mudar a vida da pessoa que se abre para ouvir sobre Jesus.

A mudança de vida das pessoas não se dá pelo medo de ir para o inferno – essa abordagem somente leva à hipocrisia e/ou à revolta com Deus. Ela se dá pela convicção íntima de que é preciso mudar e que há coisa muito melhor à frente, se a estrada tomada for outra.

Com carinho

Total Views: 4162 ,
5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments