APRENDENDO A COMBATER A ANSIEDADE

2
449

O futuro é desconhecido e incerto e isso gera insegurança e ansiedade nas pessoas. E uma das maiores causas da ansiedade, segundo os estudos, é a preocupação com o que vai acontecer com as pessoas a quem amamos. É como diz o ditado: “quem ama, se preocupa”.

Esse tipo de ansiedade nasce essencialmente de duas ideias erradas. A primeira delas tem a ver com a percepção que sabemos melhor do que ninguém (inclusive Deus) aquilo que nossos seres amados precisam. Por causa disso oramos pedindo a Deus que faça nossa vontade e atenda nossos pedidos exatamente como os formulamos. 

E nada está mais longe da verdade. Nossa percepção das coisas é limitada e também nossa inteligência. Assim, podemos errar totalmente na decisão daquilo que é melhor, mesmo tendo a melhor das intenções. 

Anos atrás, meu filho caçula entrou na faculdade de administração. Cursou dois anos e estava muito infeliz. Aí veio com a ideia que deveria cursar direito e, ainda por cima, numa escola privada. Eu achei aquilo um absurdo, um capricho meio sem sentido. Ele insistiu, fez valer sua vontade, e hoje é um advogado de grande sucesso. Ele estava certo e eu errado. Mesmo querendo o melhor para ele, eu errei totalmente na minha percepção do caminho que ele deveria seguir.

A segunda ideia errada, que nos leva à ansiedade indevida, tem ver com a concepção que podemos controlar as circunstâncias da vida das pessoas a quem amamos, para protegê-las e evitar que sofram qualquer mal. Bem lá no fundo, achamos ser possível fazer isso se tivermos bastante cuidado com elas e tomarmos as necessárias precauções. 

É claro que cuidados e precauções ajudam sim, mas o bem estar das pessoas a quem amamos nunca está debaixo do nosso controle. Coisas ruins podem acontecer com elas apesar dos nossos melhores esforços e intenções. 

Por exemplo, frequentemente não podemos prevenir que nossas pessoas queridas fiquem doentes e muito menos ainda que sofram com desilusões amorosas ou acidentes. Essas coisas fogem inteiramente ao nosso controle.

A resposta para essas duas ideias erradas – sabemos aquilo que é melhor e podemos controlar as circunstâncias da vida de quem amamos -, que levam à ansiedade, é mais fé em Deus. Deveríamos fazer o que estivesse a nosso alcance pelos/as nossos/as queridos/as, orar sempre por eles/as e deixar o resto nas mãos de Deus,. Sempre confiando que Deus sim sabe tudo e pode fazer o melhor para nossos/as queridos/as. 

Afinal, só Deus sabe de fato aquilo que as pessoas precisam e só Ele tem controle integral sobre as coisas que acontecem. Portanto, só nas mãos d´Ele as pessoas a quem amamos estarão mesmo seguras.

A ansiedade que sentimos em nada muda as circunstâncias da vida das pessoas a quem amamos e só nos faz mal. Só nos faz sofrer. E é preciso exercitar melhor nossa fé para superar esse problema.

Agora, pode ser que mesmo sabendo disso, a ansiedade ainda bata à nossa porta. E cada vez que esse sentimento terrível se fizer presente mostrar sua cara, lembre-se do que falei acima e ore a Deus para aumentar sua fé, para tornar sua confiança n´Ele plena.

Resista à ansiedade com as armas que você tem nas mãos. Ao fazer isso, você estará seguindo um conselho muito sábio, que ouvi certa vez: “não posso impedir que o passarinho (nesse caso, a ansiedade) pouse na minha cabeça, mas posso sim impedir que ele faça ninho ali“.

Com carinho

2
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Vinicius MouraAna Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ana
Visitante
Ana

Olá, toh conhecendo seu blog e estou gostando muito dos conselhos e dos ensinamentos que vc vem passando através da sua página.

Sofro muito com a ansiedade, ao ponto que me adoece. Já faz algum tempo isso. Já fiz uso de remédio anti-depressivo, hj não uso mais é entrego nas mãos de Deus. Se possível, me dê um conselho, oq posso fazer quando não tiver mais controle desse sentimento? Que caminho devo seguir?

Vou continuar acompanhado seu blogue 🙂