O INFERNO E OS DEMAIS “INFERNOS”

1
793429

E mesmo o Padre Eterno que nunca foi lá / Olhando aquele inferno vai abençoar! / O que não tem governo nem nunca terá! / O que não tem vergonha nem nunca terá!/ O que não tem juízo”… Letra da música “O que será” de Chico Buarque

O Inferno não é assunto sobre o qual gosto de falar – aliás ninguém deveria mesmo gostar.  Mas não posso fugir desse tema, pois ele gera muitas dúvidas entre os cristãos: Será que ele existe mesmo? Como é? Onde fica?

O livro do Apocalipse (capítulo 20, versículo 10) descreve o Inferno como um “lago de fogo”, onde haverá tormento permanente. Jesus disse que o Inferno será lugar de “choro e ranger de dentes”, isto é, de sofrimento.

O Inferno é um lugar?
A vida humana se passa sempre em locais situados no tempo e no espaço. Ora, sabemos pela Bíblia que haveremos de ressuscitar no final dos tempos e ter um novo corpo físico (1 Coríntios capítulo 15, versículos 35 a 49).

Assim, é razoável concluir que o Inferno, assim como o Céu, serão lugares também físicos onde as pessoas ressuscitadas habitarão. 

Alguns teólogos discordam pois pensam no Inferno como uma situação puramente espiritual e não como um lugar – confesso que eu mesmo já pensei assim. Mas, hoje acredito que a Bíblia se refere a realidades físicas quando fala tanto do Inferno como do Céu.

Como será o Inferno?
A Bíblia fala pouco sobre o Inferno, menos ainda do que sobre o Céu, do qual também pouco sabemos. Sabemos que no Inferno estarão reunidas todas as pessoas que não forem salvas. 

A fonte de sofrimento não é, como muita gente pensa, por causa de Satanás, que ficaria atormentando as pessoas. Afinal, a Bíblia diz que o próprio Satanás será jogado dento do “lago de fogo” (Apocalipse capítulo 20, versículo 10).

O sofrimento que existirá para quem estiver no Inferno será decorrente da ausência de Deus. E essa ausência não se dará porque Ele não tenha poder para se fazer presente naquele lugar, mas sim porque escolheu se ausentar. 

Sendo assim, é claro que o Inferno não pode ser um lugar bom, pois tudo de bom nasce em Deus e depende d´Ele para existir.  

Fomos criados para estar em comunhão constante com Deus e a ausência d´Ele nas nossas vidas só pode causar sofrimento e solidão. Vemos isso acontecer com frequência, quando pessoas importantes (como artistas famosos ou empresários ricos) se suicidam, apesar de terem fama, dinheiro e beleza. Essas pessoas têm tudo que se poderia desejar, mas vivem sem Deus, ou seja, já passam pela experiência do Inferno aqui mesmo na terra.

É justo condenar pessoas a uma pena sem fim?
O questionamento mais frequente sobre o Inferno é o seguinte: Não parece ser justo que pessoas permaneçam indefinidamente ali para pagarem por pecados cometidos ao longo de suas vidas. 

A resposta a esse questionamento começa na lembrança do mecanismo que leva as pessoas para o Inferno: As escolhas que fazem durante suas vidas na terra, recusando aceitar Jesus como Salvador. Sendo assim, são as próprias pessoas que escolhem ir para o Inferno, mesmo que não deem conta disso. É como se a “porta” do Inferno fosse trancada por dentro…

Assim, não há nada de injusto: As pessoas escolhem ir para lá e, como Deus não se faz presente no Inferno, elas conseguem mudar a condição que as levou até ali. Isso porque a conversão de qualquer pessoa só ocorre por conta da obra do Espírito Santo, que age para convencê-la a vir para Deus. Assim, não haverá como as pessoas condenadas mudarem suas escolhas – elas permanecerão em rebeldia. Estarão continuamente escolhendo continuar ali. 

As ameças usando o Inferno
Há um tipo de cristão(ã) que usa o Inferno como ferramenta de dominação e instrumento de poder. Vive ameaçando as demais pessoas com esse terrível lugar. Por isso mesmo, caso o Inferno não existisse, certamente seria “reinventado” por essas pessoas. 

Quando encontrar gente assim, não dê atenção ao que dizem. Ninguém tem poder para decidir quem irá ou não para o Inferno – isso cabe exclusivamente a Deus. Cada pessoa precisa tomar conta de si mesma, preocupando-se com seu próprio “umbigo”.

Os outros “infernos”
A sociedade cria inúmeros “infernos”, como bem fala a letra de Chico Buarque que iniciou este post. E essa é uma realidade muito triste.

Refiro-me aos vícios que escravizam, ao abandono que desumaniza, à pobreza extrema que gera falta de esperança, à corrupção desenfreada que apodrece a sociedade, à poluição que adoece o meio ambiente, ao consumismo excessivo que aliena e assim por diante. 

Para boa parte da humanidade, especialmente as pessoas menos favorecidas, o Inferno já se faz presente, aqui e agora. E nós, cristãos(ãs), precisamos lutar não só contra o Inferno, mas também contra todos esse outros “infernos” que escravizam e matam as pessoas. 

E a resposta, em todos esses casos, é o amor. Primeiro a Deus e depois ao próximo. O amor a Deus nos permite focar naquilo que importa de fato – viver uma boa relação com o Autor e Consumador da vida. E o amor ao próximo gera justiça social, elimina a violência e acaba com os vícios. 

Se o amor fosse amplamente difundido certamente o Inferno iria se esvaziar. 

Com carinho

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Marcos Antonio de Sousa Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcos Antonio de Sousa
Visitante

Realmente a vida de um viciado em drogas deve ser um inferno! Um dia desses estávamos num ônibus e um ex-viciado em drogas dizia:
– Gente, faz mais de um ano que não uso drogas. Talvez isso não seja importante para vocês, mas para mim é tudo! Eu não conseguia passar um dia sequer sem me drogar. Deixar as drogas foi a melhor coisa que me aconteceu! Este jovem estava vendendo: bolachas, chocolates, balinhas, pé de moleque e outras guloseimas.