COMO AVALIAR UMA RELAÇÃO AMOROSA

1
71805

Como avaliar uma relação amorosa (namoro, noivado ou casamento)? Os livros que tratam desse assunto – e existem muitos deles por aí – são quase unânimes em afirmar que é preciso fazer um levantamento da situação da relação, antes de ver o que precisa ser feito para melhorar as coisas. 

Concordo que isso é mesmo necessário e há muitas formas de fazer isso. Vou propor aqui uma alternativa baseada num texto famoso do apóstolo Paulo (1 Corintios capítulo 13, versículos 1 a 13), que fala de , esperança e amor.

Esse texto é normalmente aplicado à vida espiritual das pessoas, mas o que pouca gente sabe é que ele também é muito útil para analisar as relações amorosas. Se você acompanhar o que digo abaixo vai ver que fé, esperança e amor são os três pilares sobre os quais qualquer relação amorosa saudável se sustenta. 

Mas, antes de entrar nessa discussão, é importante deixar claro que, no contexto da vida espiritual, fé, esperança e amor se referem à relação do ser humano com Deus, enquanto no contexto da relação amorosa, essas três palavras apontam para a relação entre duas pessoas.


A palavra fé, quando se refere a Deus, tem a ver com a confiança que a pessoa deposita n´Ele. Trata-se da certeza que a pessoa tem de que Deus é quem afirmou ser e age da forma como prometeu na Bíblia.

A fé é tão fundamental na vida espiritual de qualquer pessoa que a Bíblia chega a dizer que, sem fé, não é possível agradar a Deus.

O mesmo ocorre dentro da relação amorosa: Sem confiança (fé) mútua não é possível manter uma relação saudável. Sendo assim, qualquer coisa feita por um dos dois que prejudique a confiança mútua é um erro muito sério.

E essa é a razão pela qual o adultério é tão devastador – dificilmente a confiança (fé) da parte traída, em quem cometeu a traição, consegue ser recuperada. A dúvida sempre fica no ar.

Agora, além do adultério, há outras maneiras de casal abalar a confiança mútua dentro do casal. Por exemplo, o hábito de mentir um para o outro.

Muitas vezes essas mentiras parecem não fazer mal – tem gente que até as chama de “mentiras brancas”. Por exemplo, a mulher esconde do marido o que gasta de verdade em roupas ou o marido finge estar trabalhando para poder ir comemorar com os colegas de trabalho depois do expediente.

Já conheci também casais que escondiam um do outro o quanto ganhavam de fato, para preservar sua liberdade de agir. E já vi tanto homens quanto mulheres fazerem isso.

O primeiro problema com o hábito de mentir um para o outro  é que ele se uma forma de fugir da necessidade de enfrentar os problemas. Por exemplo, é mais fácil a esposa mentir do que negociar com o marido um novo orçamento doméstico, onde ela tenha o dinheiro que de fato precisa. Ou é mais fácil para o marido mentir do que negociar com a esposa um dia da semana onde possa curtir com os amigos por algumas horas. 

O segundo problema com o hábito de mentir é que o casal acaba por construir “mundos” independentes. Forma-se uma fissura no relacionamento, inicialmente pequena, que pode ir se alargando aos poucos.

E a confiança começa a ser perdida quando essas mentiras são percebidas – nunca se esqueça que ninguém mente tão bem a ponto de conseguir enganar a outra pessoa sempre. Cedo ou tarde alguma mentira acaba exposta. E a confiança sofre.

E não são somente as mentiras que destroem a confiança dentro do casal. Promessas não cumpridas, por exemplo, também costumam ter impacto muito negativo na relação amorosa. 

O fato é que há muitas relações por aí em que a confiança (fé) mútua acabou ou está seriamente abalada. Relações assim estão adoecidas e fica difícil recuperá-las sem re-estabelecer a confiança.

Esperança
Quando as pessoas constroem uma relação, elas costumam depositar esperanças um no outro. Têm esperança de que a outra pessoa a ajude a ser feliz, a conseguir atingir a segurança financeira, a constituir uma boa família e assim por diante.

Esse tipo de esperança é fundamental para que o casal se mantenha comprometido com a relação. E enquanto houver esperança, haverá vontade de lutar e forças para enfrentar as dificuldades. 

Infelizmente, o casal pode agir no sentido de tirar a esperança um do outro até sem perceber. Por exemplo, quando um dos dois sempre culpa o outro pelos problemas e nunca consegue perceber os próprios erros, ou não colabora o suficiente para resolver os problemas da relação, ou ainda promete fazer uma coisa importante e não faz. 

Quando a esperança acaba, vai embora a vontade de lutar e a relação vai definhando, definhando e acaba morrendo. Ou permanece de pé, mas torna-se um “zumbi” – permanece apenas pela força do hábito ou até pela vergonha de assumir o fracasso. 

É importante que o casal lute para preservar a esperança na própria relação. Para que os planos comuns não morram. Para preservar a vontade de lutar em conjunto.

Amor 
O amor que une um casal pode envolver até três aspectos diferentes – como se fosse três tipos de amor. O primeiro deles é a paixão. Essa é a parte mais instintiva do amor e nela há um forte componente de natureza sexual. 

Normalmente é a paixão que aparece primeiro e aproxima o casal. É também a paixão que facilita a reconciliação quando aparecem as primeiras crises de relacionamento – a vontade de estar junto faz com que as partes passem por cima dos sentimentos ruins.

O problema com a paixão é que ela vai diminuindo quando a rotina se instala e/ou a idade chega. Portanto, ela não pode ser a única “cola” que mantem um casal junto. É preciso mais. 

É aí que entra o segundo tipo de amor: o  companheirismo. A parceria que o casal forma para dividir experiências e fornecer apoio mútuo nos momentos de dificuldade.

O companheirismo não diminui com o tempo, muito pelo contrário. Mas não nasce rapidamente, como a paixão. Precisa de tempo para amadurecer. 

Mas, esse segundo tipo de “cola” fica cada vez mais forte, com a passagem do tempo, o que ajuda a manter o casal junto quando a paixão diminui.

Um casal que não se torna companheiro, não gosta de passar tempo junto e/ou não tem interesses comuns, mantem um relacionamento com estrutura frágil. 

Finalmente, existe ainda outro tipo de amor: Aquele baseado no amor que Deus tem pelo ser humano. É aí que se insere sentimentos como compaixão e misericórdia.

O apóstolo Paulo descreveu esse tipo de amor no texto que já citei acima (ver versículos 4 a 7) lembrando que ele é paciente, não tem ciúmes, não espera retribuição, etc. 

A paixão e o companheirismo são tipos de amor que esperam retribuição. Já esse terceiro tipo de amor é unilateral – não espera nada em troca. 

E é aqui que se apoia o perdão sincero, é promovida a cura das feridas emocionais e onde a pessoa encontra motivação fazer mudanças interiores, visando superar suas próprias falhas, como vícios ou outras hábitos ruins.

Agora, esse terceiro tipo de amor cresce à media que a pessoa se desenvolve espiritualmente, pois ele é resultado da ação do Espírito Santo na vida dela. Não é fruto da relação amorosa em si.

Em outras palavras, quem é desenvolvido espiritualmente, acaba sendo um melhor parceiro(a) numa relação amorosa. Simples assim. 

Palavras finais
Se você quiser saber como anda sua relação amorosa, analise esses três aspectos: fé (confiança), esperança e amor (nas suas três diferentes modalidades). 

Leve os comentários que fiz acima e veja onde os problemas estão. E assim ficará mais fácil saber o que precisa ser feito para melhorar a relação.

Com carinho

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
0 Comment authors
Anônimo Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Anônimo
Visitante
Anônimo

Amem! Texto maravilhoso. Camila