JESUS QUER ENTRAR NO “BARCO” DA SUA VIDA

0
27760

Depois de ver o milagre que Jesus tinha realizado, o povo começou a dizer: “Sem dúvida este é o Profeta que devia vir ao mundo”. Sabendo Jesus que pretendiam proclamá-lo rei à força, retirou-se novamente sozinho para o monte. Ao anoitecer seus discípulos desceram para o mar, entraram num barco e começaram a travessia para Cafarnaum. Já estava escuro e Jesus ainda não tinha ido até onde eles estavam. Soprava um vento forte, e as águas estavam agitadas. Depois de terem remado cerca de cinco ou seis quilômetros, viram Jesus aproximando-se do barco, andando sobre o mar e ficaram aterrorizados. Mas ele lhes disse: “Sou eu! Não tenham medo!” Então se animaram a recebê-lo no barco e logo chegaram à praia para a qual se dirigiam. João capítulo 6, versículos 14 a 21

Jesus andando sobre as águas para encontrar os discípulos que estavam num barco no meio do lago da Galileia é um milagre bem conhecido. A maioria dos estudos sobre esse tema costuma ressaltar a figura de Pedro (Mateus capítulo 14, versículos 22 a 33), que quis também andar sobre as águas e quase se afogou, centrando a discussão na questão da falta de fé.

Mas é interessante perceber que o relato do Evangelho de João, reproduzido acima, não fala nada sobre Pedro. Ou seja, esse texto foca em outro aspecto do milagre de Jesus e é isso que gostaria de discutir aqui.

A primeira coisa que chama a atenção no relato é o fato de Jesus ter-se separado dos discípulos. E o texto explica a razão: Pouco antes, Jesus tinha feito um milagre extraordinário – multiplicando a comida para alimentar uma grande multidão – e as pessoas ficaram tão impressionadas que quiseram fazer d´Ele um rei (versículo 14). 

Mas Jesus não tinha vindo ao mundo com essa missão e não teve outra alternativa senão afastar-se da multidão para acabar com aquele tipo de conversa. E foi aí que se separou também dos discípulos, provavelmente porque eles queriam a mesma coisa que a multidão. 

E os discípulos ficaram esperando Jesus voltar. Ao cair a noite, cansados de esperar, foram para as margens do lago da Galileia, onde seu barco estava atracado, e partiram, deixando Jesus para trás.

Há aqui um ensinamento importante: os discípulos desistiram de esperar e resolveram fazer as coisas por conta própria. E quantas vezes não agimos exatamente assim? Pensamos que Deus está demorando a responder nossos pedidos e resolvemos fazer as coisas do nosso próprio jeito. E normalmente quebramos a cara…

E não foi diferente com os discípulos: O vento começou a soprar e as águas ficaram agitadas, o que representava enorme perigo, já que o barco já estava cinco a seis quilômetros distante da margem. Foi um momento de tensão.

Aí Jesus veio até eles, andando sobre as águas. E lhes disse: “Sou eu! Não tenham medo.” E só assim foi reconhecido e recebido pelos passageiros do barco.

Há outro ensinamento aqui: Jesus foi até eles e encontrou-os onde estavam. Acalmou-os e só então foi recebido. E é exatamente assim que o Espírito Santo trabalha na vida das pessoas: vai buscá-las onde estiverem, revela-se a elas, e as acalma. E só então é recebido e consegue entrar no “barco” das suas vidas

Essa disponibilidade de Deus é um aspecto maravilhoso da sua personalidade. Apesar de toda a sua grandeza e poder, Ele vem nos buscar – nos procura onde estivermos – e entra no nosso “barco”, simplesmente porque nos ama e quer estar conosco.

Mas nem sempre reconhecemos de imediato que Deus está nos procurando, assim como os discípulos tiveram dificuldade para reconhecer Jesus. E há outro ensinamento aí: a necessidade de aprendermos a discernir as coisas espirituais para podermos perceber a ação do Espírito Santo nas nossas vidas.

Frequentemente, vejo pessoas reclamarem que Deus não está fazendo nada nas suas vidas quando, na verdade, são elas que têm dificuldade para perceber a ação do Espírito Santo. Não conseguem discernir espiritualmente o que está acontecendo, pois falta-lhes intimidade no relacionamento com Deus.

O texto de João traz um último ensinamento: logo depois que os discípulos reconheceram Jesus e aceitaram sua presença, o barco chegou a salvo na praia, já em Cafarnaum.

Quando Jesus está conosco no barco, todas as dificuldades são superadas. Não importa o que venha a acontecer, o resultado final é sempre o melhor possível.

Com carinho

Deixe um comentário

avatar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Subscribe  
Notify of