SERÁ QUE DEUS ERROU NO PLANEJAMENTO DO PRIMEIRO NATAL?

0
98

Trocando ideias com um amigo da igreja, ele me fez uma obervação interessante: “Se eu não tivesse absoluta confiança em Deus, eu pensaria que Ele não sabe planejar. Veja a forma como Seu Filho chegou ao mundo.”

Meu amigo se referia ao fato de que José e Maria, grávida de nove meses, chegaram a Belém, não encontraram lugar onde ficar e acabaram instalados de maneira absolutamente precária, num curral, em meio a animais. O berço de Jesus foi um cocho (chamado naquela época de manjedoura), usado pelos animais para comer. Olhado de fora, tudo parece ter sido improvisado, fruto de falta de planejamento.

Essa impressão de improvisação acaba quando vemos a mensagem que foi recebida pelos pastores, através de um anjo (ver Lucas capítulo 2, versículos 11 e 12): “É que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos servirá de sinal: encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura.”  Ou seja, Jesus nasceu onde tinha mesmo que nascer, por mais incrível que possa parecer.

A discussão então muda de figura: parece ser que Deus pensa mesmo de forma diferente de nós, pois ninguém escolheria para seu filho nascer numa estrebaria, se pudesse evitar. Alíás, foi isto nesmo que o apóstolo Paulo quis dizer em 1 Corintios, capítulo 1, versículos 27 e 28: “Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios, e as coisas fracas do mundo para envergonhar os fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas e aquelas que não são, para reduzir a nada os que são…”

Para comprovar que é como o apóstolo Paulo falou, basta pensar na vida de Jesus:

  • Por que Jesus precisou se sacrificar para que seu sangue nos desse a porta de entrada para a salvação? Não haveria uma outra forma, menos penosa para Jesus?
  • Por que Jesus precisou sofrer tanto nesse mundo? Ele nasceu num lugar horrível, viveu em pobreza, foi discriminado pelos moradores da cidade onde foi criado por causa do fato de sua mãe ter engravidado antes de casar com seu pai legal (José).
  • Por que Ele tinha que ser discriminado pela sua própria família?
  • Por que tinha que ser perseguido pelos líderes religiosos da sua época?
  • Por que teve que ser abandonado pelos seus maiores amigos (os apóstolos), quando foi preso?
  • Por que foi necessário que Ele passasse por morte tão horrível, pregado numa cruz?

Se eu reservasse uma vida assim para qualquer dos meus dois filhos, eles provavelmente pensariam o pior de mim, assim como todos que estivessem ao meu redor.

É claro que cada uma dessas “loucuras” de Deus tinha uma razão, dentro do Seu Plano de Salvação e dá para provar isso com explicações contidas na própia Bíblia, mas eu não tenho espaço aqui para apresentar todos esses argumentos. Vou me limitar, portanto, a um dos pontos, a título de exemplo. Trata-se daquele que se refere à perseguição dos líderes religiosos. Jesus encontrou uma religião hipócrita, onde as aparências valiam mais do que qualquer outra coisa. E Ele se insurgiu contra isso, pois os ensinamentos de Deus sempre foram na direção de que o importante é o que verdadeiramente se pensa e se faz, não o que se aparenta ser.

Ao comemorar o Natal, lembre-se que a vinda de Jesus ao mundo, da forma como se deu é um dos atos de Deus que menos conseguimos entender. Acostumamo-nos com a ideia de Jesus ter estado entre nós e, muitos de nós, somos gratos a Deus por isso. Mas isso não quer dizer que possamos entender o “por quê” e o “como” Deus fez tudo isto.

Portanto, quando você não entender certas coisas vindas de Deus, que tenham ocorrido tanto na sua própria vida, como na vida daqueles que te cercam, saiba que é assim mesmo que Deus age. Ele sempre nos surpreende a todos.

Com carinho
Vinicius

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here