TRANSGRESSÃO, INIQUIDADE E PECADO SÃO COISAS DIFERENTES

0
977373

Todo mundo comete erros que desagradam a Deus e essa afirmação vale igualmente para você e para mim.

Naturalmente nem todos os erros de uma pessoa são da mesma natureza. Há erros que a pessoa comete porque é orgulhosa e rebelde e se recusa a obedecer a vontade de Deus, como também há erros que a pessoa comete porque é imperfeita e ainda está aprendendo a agir como deve – pode ser que ela até queira fazer a coisa certa, mas acaba errando. 

Embora nem todo erro tenha natureza igual, em muitas passagens da Bíblia, para simplificar o relato, os erros de uma pessoa são todos resumidos por uma mesma palavra, como “pecados”. Por exemplo, veja o que Jesus disse para a mulher que lhe lavou os pés com as próprias lágrimas: “Os teus pecados te são perdoados” (Lucas 7:36). É claro que aquela mulher, tinha cometido diferentes tipos de erros ao longo da sua vida, mas Jesus resumiu tudo com base na palavra “pecados”.

Eu costumo fazer a mesma coisa aqui no site, frequentemente usando a palavra “pecados” para me referir a tudo que uma pessoa faz de errado e desagrada a Deus. É uma maneira de simplificar as coisas, embora tecnicamente eu esteja juntando num mesmo “saco” coisas que não são exatamente iguais

Isso fica mais fácil de ver ao ler o Salmo 51 – Davi escreveu esse salmo depois de ter tomado consciência dos seus muitos erros relacionados com o episódio do seu adultério com Bate-Seba, incluindo a armadilha que levou à morte do marido dela. Veja o que Davi disse nos versículos 1 e 2 desse salmo:

“Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias. Lava-me completamente da minha iniquidade, e purifica-me do meu pecado”.

Davi usou três palavras diferentes para se referir aos próprios erros: transgressão, iniquidade e pecado. E ele não fez isso por acaso, pois estava se referindo a três tipos de erros bem distintos.

Transgressão significa se rebelar e ultrapassar conscientemente um limite que foi fixado. Quando a pessoa dirige acima do limite de velocidade que foi estabelecido para determinada estrada, ela comete uma transgressão. A pessoa erra tendo total consciência do seu erro. Sabe que não deveria fazer aquilo, mas faz assim mesmo, porque o erro lhe traz algum prazer ou alguma vantagem (por exemplo, chegar mais depressa).

Na vida espiritual, o limite que não deve ser ultrapassado é a lei de Deus. Ali foi estabelecido o que a pessoa pode ou não fazer e ultrapassar conscientemente tal limite, ou seja violar essa lei, é cometer uma transgressão (Romanos capítulo 4, versículo 15 e Gálatas capítulo 3, versículo 19).

A transgressão, portanto, é um ato de infidelidade, de desobediência explícita. Implica em querer fazer a própria vontade, contestando ativamente a vontade de Deus.

A lei de Deus estabelecia que Davi não podia se relacionar com a mulher de outro homem, pois isso seria adultério, mas foi exatamente isso que ele fez com Bate-Seba. Logo, Davi cometeu uma transgressão e reconheceu isso logo no início do salmo 51.

Iniquidade é um erro de natureza diferente: tem a ver com algo interno – pensamento e/ou sentimento perverso que a pessoa deixa crescer no seu interior. É exatamente por isso que a palavra “iniquidade”, no hebraico, significa “curvatura”, pois se refere a algo que está “torto” no íntimo da pessoa.

A iniquidade costuma preceder a transgressão: A pessoa abriga pensamentos errados e eles acabam dando origem a uma rebeldia consciente (transgressão).

No caso de Davi, a iniquidade residiu na luxúria que ele nutriu por uma bela mulher casada – da janela do seu palácio, pôde vê-la tomando banho e a desejou. E deixou aquele pensamento errado tomar conta da sua mente. Davi acabou mandando chamar aquela mulher ao seu palácio e adulterou com ela. A iniquidade de Davi (luxuria) deu origem à transgressão (adultério).

Finalmente, existe ainda o pecado.  Essa palavra significa, no hebraico, errar o “alvo”. E que “alvo” seria esse? Simples: a vontade de Deus caracterizada pelas suas leis.

No caso do pecado, esse acontece por conta das imperfeições da pessoa – por exemplo, ela se deixa levar pelas aparências ou não controla o próprio temperamento.

Ela pode até estar querendo acertar o “alvo” e fazer a vontade de Deus. Mas, acaba errando assim mesmo.  Foi isso que Paulo quis dizer em Romanos capítulo 7, versículo 19: “Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo”.

Paulo lamentou que, muitas vezes, queria fazer a coisa certa e acabava errando assim mesmo. Queria acertar e ainda assim acabava pecando.

Esse não é um erro fruto da rebeldia, da vontade de transgredir as leis de Deus. A situação aqui é outra.

Concluindo, não é por acaso que Davi, no salmo 51, tenha usado três diferentes palavras para descrever seus erros: transgressão (aplicável tanto à situação em que ele adulterou com Bate-Seba, como ao assassinato do marido dela), iniquidade (que teve a ver com a luxuria, que o levou ao adultério, e a hipocrisia, que o levou a matar o marido dela para esconder seu mal feito), e pecado (aplicável a outros erros que cometeu ao longo da sua vida).

Com carinho

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here