A HISTÓRIA DE UMA ATEIA QUE SE CONVERTEU

0
26098

Leah Libresco (a foto dela ilustra esta postagem) é uma escritora que mora em Washington, capital federal dos Estados Unidos. É uma pessoa altamente preparada, com um bacharelado em ciências políticas da Universidade de Yale, uma das mais importantes do seu país.

Leah tem um blog no site Patheos, onde ficou famosa por defender durante muitos anos o ateísmo. Ela chegou a escrever naquela época que “não se lembrava de uma época em sua vida em que pensasse de forma diferente, pois seus pais eram ambos ateus e ela foi criada dentro desse sistema de pensamento“.

Pela qualidade das reflexões que publicava, Leah acabou por se tornar um ícone para pessoas ateias, pessoas que acreditam não existir Deus e nem um mundo espiritual (sobrenatural) – para elas tudo se resume ao mundo material. 

Leah se converteu ao cristianismo e relatou o que aconteceu. E sua trajetória é cheia de ensinamentos. Tudo começou quando ela começou a namorar um rapaz cristão, de quem gostava. Os dois mantiveram várias conversas a respeito das suas diferenças de convicção.

Ao longo dessas conversas, ela precisou responder alguns argumentos do namorado que acabaram por fazer balançar suas certezas materialistas, dando início a um processo que culminou com sua conversão. 

Talvez você se surpreenda ao saber qual foi o argumento que fez Leah mudar de posição: A existência de princípios morais universais (veja mais). Vamos ver como isso funcionou na prática.

Leah, como as demais pessoas de bem, entendia precisar seguir certos princípios morais (por exemplo, não maltratar crianças, não roubar, não contar mentiras para prejudicar outras pessoas e assim por diante). Ela também percebia intuitivamente que esse princípios morais são descobertos (de forma semelhante ao que acontece quando cientistas entendem como a natureza funciona) e não são construídos pelas sociedades (assim como os arquitetos concebem e constroem casas). 

Ora, se há princípios morais que têm aplicação universal e eles existem independentemente das sociedades, que apenas os descobrem e passam a aplicá-los, de onde esses princípios vieram? Quem os concebeu?

Leah percebeu a enorme dificuldade que o ateísmo tem para responder essa questão – quanto mais estudou, mais se convenceu disso. Afinal, a evolução, o mecanismo aceito pelo ateísmo como tendo levado à criação e ao desenvolvimento da vida e da sociedade humana, não consegue explicar a existência de princípios de moral que todo mundo precisa seguir. Já o cristianismo tem uma resposta muito simples e eficaz: Foi Deus quem criou esses princípios. Simples assim.

Ao perceber isso, Leah abriu as portas da sua mente para aceitar a existência de Deus e começou ali uma jornada que a levou à conversão ao cristianismo. Ela continua a escrever seu blog no site Patheos (veja o link aqui), só que agora fala para um público cristão – e seu universo de leitores cresceu muito. 

Essa história traz dois ensinamentos importantes. O primeiro deles é que, tal como o namorado de Leah, precisamos ter coragem de falar da nossa fé para pessoas não convertidas. Não devemos ter vergonha pois o cristianismo tem respostas excelentes para as questões mais difíceis da vida humana.

O segundo ensinamento é que a conversão de cada pessoa é um caminho individual, específico para ela. Muitas pessoas chegam a Deus através do sofrimento – esse talvez seja a forma mais comum. Mas outras pessoas podem chegar através de uma inquietação intelectual, como Leah Libresco. 

E não importa qual seja o caminho que leva a pessoa até Jesus, o fundamental é o resultado final. 

Com carinho

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here